Inédito, Projeto 30 mapeia percepção de vida de jovens brasileiros

Publicado em em Pesquiseria.

1TiagoFaria_DennisGiacometti2- À geração de brasileiros egressos aos 30 anos falta autoconhecimento e planejamento; sobra frustração. Há um abismo entre as expectativas geradas na juventude e o balanço realista, sobretudo no que tange a vida profissional e financeira. Apenas 15% dos entrevistados pelo Projeto 30 afirmam que estão plenamente satisfeitos com as conquistas obtidas. Em meio às frustrações, a certeza de que os 30 representam o momento da virada.

- O Projeto 30, solicitado pela Giacometti Comunicação à Pesquiseria, apresenta os primeiros resultados de um mapeamento que traz um cenário consistente dos mecanismos de vivência e construção de jovens brasileiros do século 21.

São Paulo, 30 de maio de 2016 – Aos 30 anos, os jovens brasileiros colecionam frustrações. Para 44% dos trintões das classes A e B sobra o sentimento de “não ter chegado onde queriam”; na classe C essa percepção atinge 43%. A análise da expectativa versus realidade mostra uma dissonância enorme; as expectativas geradas durante a juventude e o balanço realista da vida – sobretudo no que se refere à vida profissional e financeira – são retratos desse desencanto. Muito da frustração advém de uma postura pouco autoral na trajetória: 64% sentem que se tornaram fruto de onde a vida os levou, ou seja, não tiveram controle sobre as escolhas e as coisas simplesmente aconteceram. Para 36%, as escolhas e planejamento foram os responsáveis pelo que se tornaram. Apenas 15% dos entrevistados estão plenamente satisfeitos com as próprias conquistas. Essas são algumas das conclusões da primeira etapa do Projeto 30, desenvolvido pela Pesquiseria e coordenado pela Giacometti Comunicação.

Projeto 30 está sendo conduzido com pesquisas quantitativas e qualitativas. Na qualitativa, uma abordagem de 24 grupos de discussão formados por homens e mulheres de 30 anos, residentes no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Porto Alegre; na abordagem quantitativa foram entrevistados mil jovens das mesmas praças. As análises serão conduzidas e analisadas em quatro etapas: 30 anos, a hora da virada (balanço de vida dos jovens brasileiros egressos à idade); a crise e o padrão de consumo entre as diferentes tribos de 30 anos; a educação e a insatisfação com a vida profissional; e as características e percepções de mundo de cada uma das tribos: o plano B. O estudo detectou, também, segmentos atitudinais destes jovens – um claro reflexo dos padrões de escolha e das visões sobre o futuro. O mapeamento traz um cenário consistente dos mecanismos de vivência e construção de jovens brasileiros do século 21.

Segundo Dennis Giacometti, coordenador do estudo e presidente da Giacometti Comunicação, os 30 anos são simbólicos na vida de muitas pessoas por trazerem, efetivamente, a dimensão do mundo “adulto” e por abrirem a possibilidade de reflexão sobre o passado e questionamento sobre o futuro. Com base nesta crença, a Pesquiseria – startupacelerada pela agência – conduziu o Projeto 30, um estudo inédito no Brasil. A proposta é entender quais são as avaliações da trajetória até então trilhada e as perspectivas para o futuro.

“O investimento em pesquisas está associado ao próprio DNA da Giacometti Comunicação, que trabalha tendo por base evidências. Sempre investimos em pesquisas qualitativas e quantitativas para dar suporte ao trabalho de uma agência que realmente entende a dimensão humana que antecede o arquétipo consumidor. Ao aferirmos as variáveis psicossociais de forma mais científica, damos a nossa contribuição para a redução da margem de erro na construção de projetos de vida, na questão educacional e nas relações das empresas com um novo perfil de consumidor”, afirma Dennis Giacometti, acrescentando que se trata de um projeto audacioso que diz muito sobre o modo de trabalho da Giacometti e da Pesquiseria.

As pesquisas visam, portanto, a produzir conhecimento a ser compartilhado com a sociedade. “No Projeto 30, cuja primeira fase está sendo divulgada agora, detectamos que os brasileiros dessa faixa etária estão insatisfeitos com o rumo que suas vidas tomou, principalmente no âmbito profissional. Como consequência, muitos adultos têm voltado a estudar; têm buscado novos caminhos de realização pessoal. É um fenômeno moderno estimulado pelo aumento da longevidade. Esse será um estudo em quatro fases, realizado em seis Estados do Brasil, com mil pessoas”, destaca Dennis.

Na avaliação de Tiago Faria, coordenador do estudo e sócio-diretor da Pesquiseria, é importante salientar que o desencanto do jovem de 30 anos não é resultado meramente da crise econômica: “É claro que o momento de crise é preocupante para todo mundo. No entanto, não é exclusivamente este momento que tem dado a tônica pessimista das nossas análises. O entendimento é muito mais complexo e advém, sobretudo, de uma geração de jovens que possui alta expectativa e nenhum  planejamento concreto. Para a maioria deles, existia um futuro prometido que não chegou. A frustração vem como uma autocobrança e um acerto de contas com o questionamento sobre quem se tornaram”, afirma Faria.

DESTAQUES DA PESQUISA

Percepções da realidade

A grande questão que permeia todo o Projeto 30 é o sentimento de frustração entre os entrevistados; ao chegar aos trinta anos, poucos estão onde pretendiam. O estudo traz as três causas principais para esse descompasso entre o sonho e a realidade. O universo do próprio indivíduo é uma das causas; ele não teve ferramentas para desenvolver inteligência emocional para refletir sobre si nos anos que antecederam os trinta. Na segunda causa, o universo familiar não criou condições para despertar autoconhecimento – apesar da teia afetiva de proteção. Em terceiro, o Estado não proporciona políticas educacionais que priorizam a reflexão e criticidade desses jovens.

A partir de uma análise que segue a ótica das três principais causas, o estudo mostra as consequências. É importante ressaltar que a reflexão é o mood que rege a entrada nos 30 anos; o sentimento despertado pela “chegada à maturidade” é um chamado para fazer um balanço da própria trajetória. Fazer 30 anos traz o sentimento de “virei gente grande” – a idade de se deparar consigo próprio.

Para 59% dos entrevistados, os 30 marcaram um momento de muita reflexão e balanço; 44% apontam a percepção de que não tinham feito muito do que esperavam; e 52% perceberam que não têm mais tempo a perder. “Embora tenham um forte senso de orgulho dos pais – enaltecendo a trajetória de luta e de apoio – os jovens trintões das classes A e B não querem repetir as jornadas extremas de trabalho; nos da classe C há um desejo de não repetir uma trajetória de abandono dos estudos, empregos mal remunerados, a busca por sobrevivência”, detalha Dennis Giacometti.

Entre as mulheres, trata-se de uma geração independente – sobretudo da classe C – que está batalhando para não reviver o histórico de dependência e submissão das mães em relação aos maridos. Admiram a forma com a qual as mães criaram uma família, mas não querem abdicar da independência e liberdade – ainda que queiram construir uma família. Na classe C, o conceito “ralar” faz parte da vida desde muito cedo; boa parte desses jovens teve que colaborar com a renda familiar e muitos, em meio a esse processo, abandonaram os estudos.

Segundo Tiago Faria, coordenador da pesquisa e sócio-diretor da Pesquiseria, nos 30 anos o sentimento de amadurecimento e ganho de autoconhecimento traz o fardo da responsabilidade – uma linha limite entre darem conta e, ao mesmo tempo, “correrem atrás”, um questionamento sobre como conseguir se tornar uma pessoa mais próxima do plano. Ao fazer 30, o principal sentimento é de amadurecimento (40%), seguido por responsabilidade (24%), senso de realidade (8%), preocupação (7%), frustração (7%), felicidade (4%) e medo (3%). Para 63%, o saldo acumulado é um amadurecimento e responsabilidade para encarar o que vier pela frente.

As grandes frustrações

Regidos por um ideal de realização do imaginário coletivo, os neotrintões têm a sensação de frustração originada por uma expectativa preeminente; poucos foram os que fizeram planos efetivos e os realizaram. Com esse cenário, o balanço da maioria é deficitário, ou seja, poucos chegaram onde imaginavam. “Falam que esta é a idade do sucesso, mas para mim ainda não é. Essa frase resume o sentimento de fracasso dos entrevistados”, afirma Giacometti.

Quais são as grandes frustrações? Um caminho mais difícil do que imaginavam é apontado por 26% (A e B) e 29% (C) como um tema recorrente; para 13% dos jovens das classes A e B, “está tudo muito caro, por conta disso, poucos planos se concretizaram” – percepção compartilhada por 12% dos entrevistados da classe C.

A questão de poucas oportunidades para correr atrás dos sonhos foi apontada por 9% (A e B) e 8% (C), enquanto “passamos muito tempo correndo atrás e parece que não foi suficiente“ foi identificado, igualmente, por 7% das classes A, B e C. Segundo Dennis Giacometti, as percepções são muito semelhantes entre os jovens de diferentes classes sociais – mesmo quando se fala de oportunidades e condições para executar os planos. “A pesquisa mostra que os jovens egressos aos 30 anos têm sentimentos semelhantes, partilham o mesmo desencanto e frustração”, afirma.

A análise da expectativa versus realidade mostra uma dissonância enorme; as expectativas geradas durante a juventude e o balanço realista da vida – sobretudo no que se refere à vida profissional e financeira – são retratos desse desencanto. Apenas 15% dos entrevistados estão plenamente satisfeitos com as conquistas.

A expectativa de estar financeiramente estável – 79% (A e B) e 80% (C) – tornou-se realidade para apenas18% (A e B) e 14% (C). O desejo de atuar em uma profissão que os realizassem – 52% (A e B) e 54% (C) – é uma realidade para 21% dos jovens das classes A e B, 19% da classe C. O carro e a casa própria estavam na expectativa de 50% (A e B) e 54% (C), mas apenas 39% (A e B) e 26% (C) concluíram o plano. O casamento e formação de uma família, no entanto, foram além do previsto: apenas 38% (A e B) e 34% (C) gostariam de seguir esse caminho, que tornou-se realidade para 55% (A e B) e 87% dos jovens da classe C. Aos 30, 34% dos entrevistados das classes A e B gostariam de ter concluído cursos para aprimorar o aprendizado, uma realidade para 28%. Para os da classe C, essa era a expectativa de 40%, mas somente 24% conseguiram concretizar.

Diante deste descompasso sobra o sentimento de “ter que correr atrás” da estabilidade financeira; a sensação é de “agora ou nunca”. Segundo Tiago Faria,  essa é a última chamada para o coro dos descontentes. “Apesar de terem um discurso de esperança perene, realmente esperam uma virada depois dos 30 anos; nessa reflexão há o temor de errar porque reina a percepção que estão diante do último momento para se dar bem”, afirma, acrescentando que muito dessa expectativa frustrada é resultado da postura pouco autoral da trajetória. O pesquisador afirma que 64% dos entrevistados sentem que o que se tornaram foi fruto de onde a vida os levou, ou seja, não tiveram muito controle sobre as escolhas; as coisas simplesmente aconteceram. Apenas 36% sentem que são frutos das escolhas feitas; planejaram efetivamente estar onde estão.

Sobre a Giacometti Comunicação

Com atuação nacional e internacional, a Giacometti Comunicação adota um modelo de negócios que tem como visão de trabalho o pensamento estratégico, a partir de diretorias nacionais, e uma capilaridade baseada em unidades completas e independentes operando em diversos pontos do Brasil. É uma agência full service, capaz de oferecer ao mercado soluções customizadas em comunicação. Agilidade e autonomia levam o que existe de melhor aos clientes, seja em mídia, atendimento, produção ou criação. Com uma forma de agir muito própria, a Giacometti só trabalha com evidências. Busca constantemente informações profundas e confiáveis sobre o mercado e os consumidores, opção que dá à agência a certeza de que chega a um pensamento estratégico de comunicação único, próprio ao DNA de cada marca. O diagnóstico oferecido é preciso, para que a comunicação realmente faça a diferença, dê resultados e contribua de forma efetiva para a valorização e a construção da imagem da marca. A Giacometti foi criada em São Paulo em 1995 e possui hoje unidades completas em Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Goiânia (GO) e Londrina (PR). Em julho de 2014, a agência iniciou atividades em São Francisco, nos Estados Unidos. Com o nome de Spice, a nova unidade tem objetivo de aproximar os clientes das inovações tecnológicas do Vale do Silício e acompanhar as tendências internacionais em comunicação.

www.giacometti.com.br

Sobre a Pesquiseria

Startup criada em 2015 pelo empreendedor Tiago Faria e acelerada pela Giacometti Comunicação, a Pesquiseria é uma empresa com foco em estudos qualitativos de inspiração. Com uma singular composição de método e pessoas, a Pesquiseria oferece respostas estimulantes, criativas e inspiradoras para os questionamentos contemporâneos de marcas e produtos. Com estudos taylor made e sem metodologias engessadas, a equipe alinha a atuação aos princípios EMPATIA, COMFORT e ENTERTAINMENT para gerar insights e ir além do entendimento da palavra; da narrativa pura. Na Pesquiseria, a MESA DE INSPIRAÇÃO – formada por psicólogos, sociólogos, antropólogos, filósofos, arquitetos, artistas e diversos profissionais – enriquece um processo analítico com a visão voltada a valores e códigos implícitos por trás do que as pessoas contam nas pesquisas.  Publicitário com especialização em Ciências do Consumo e Sociopsicologia, Tiago Faria tem por sócio Dennis Giacometti, sócio-presidente da Giacometti Comunicação e CEO da Zhuo.

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA
Printec Comunicação www.printeccomunicacao.com.br
Visite a página da Printec Comunicação no Facebook
Betânia Lins betania.lins@printeccomunicacao.com.br
Fabio Scrivano 
fabio.scrivano@printeccomunicacao.com.br
Vanessa Giacometti de Godoy 
vanessa.godoy@printeccomunicacao.com.br
Fone: (11) 5185-4974 / Celular: (11) 9 9274-9651